Festmag

Música no image

Published on Novembro 26th, 2009 | by Filipe Pedro

0

Trans Musicales: Ouvidos abertos às novas tendências musicais

Logo Trans

Pensem em artistas novos, com álbum de estreia a editar em breve e em meia dúzia de bandas independentes de culto – essa é a filosofia de programação do Trans – Rencontres Trans Musicales, festival de novas músicas que acontece desde 1979 em Rennes, França.

Ano de boa colheita
O Trans está de volta e este ano não está para brincadeiras. A agressividade está bem patente no enorme caldeirão de géneros musicais que os melómanos encontram à sua disposição – do indie folk ao pop rock, da world ao hip hop, da funk ao soul e do techno ao inclassificável – o Trans programou “alarvemente” mas com “gosto” e “frescura”.

Dos cinco continentes chegam nomes como Beast, V.V. Brown, Round Table Knights DJs, The Narcicyst, The Carps, Fever Ray, Hook & The Twin, Jessie Evans, Danton Eeprom, The Field, The Very Best, Mr Oizo (na foto), Cass Mc Combs, The Agitator, South Central, Major Lazer, Japanese Popstars (na foto), The Phantom Band, Oof, Ezra Bang & The Hot Machine (na foto), The Whitest Boy Alive e outros tantos que urge apurar em palco os créditos de escutas nos diversos recantos da internet, passando, por vezes numa questão de segundos, do hype ao logro. Programação completa aqui.

Mr Oizo

Não estranhe se desconhecer os nomes dos mais de 100 artistas da presente edição do Trans, sendo natural que venha a ouvir falar neles mais tarde. Se não acontecer, foram erros de casting. Arriscar faz parte do jogo.

Regresso português
Saliente-se a actuação do português DJ Ride (na foto), ilustre sucessor de Legendary Tigerman (2003) e de General D (1996) na representação do nosso país no festival bretão. Virtuoso no scratch, Ride leva a Rennes o recém-editado “Beat Journey” na bagagem.

Ride

Hoje como ontem
O Rencontres Trans Musicales de Rennes, capital da Bretanha, no noroeste de França, promove anualmente encontros de culturas e géneros musicais sem preconceitos, fruto do elevado grau de melomania do director e programador Jean-Louis Brossard – desconhece-se outro festival com mais de cem actuações em que o seu o responsável seja visto frequentemente a correr de um lado para o outro, a dar entrevistas, a participar nas conferências de imprensa, a aplaudir as bandas e, espantem-se, a incentivar encores – e não julguem que corre apenas em “casa”, pois já foi visto a “voar”, literalmente, no Festival de Benicassim, em Espanha.

Apesar do nome pomposo, o Rencontres Trans Musicales – para muitos conhecido apenas por Trans – celebra-se desde 1979 e apresenta muito mais do que o que em Portugal entendemos por festival – ainda que por cá, com o passar dos anos, o conceito se tenha alterado.

Depois de um formato inicial mais ou menos caseiro, o Trans teve um crescimento significativo na transição dos anos oitenta para os noventa, altura em que passou a ser conhecido como “festival das descobertas”. Massive Attack, Nirvana, Björk, Portishead, Beck ou Ben Harper, só para citar alguns, foram nomes dados a conhecer, na Europa Continental, por estes “encontros especiais”, chamemos-lhes assim.

japanese popstars

No Trans, ao longo dos últimos 15 anos, testemunhámos actuações premonitórias, como os primeiros passos de Goldfrapp, Nitin Sawhney, Delta 72, Make Up, Bobby Conn, Gotan Project, Nicola Conte ou Zero 7, artistas que actuaram para pouco mais de duzentas pessoas.

Na 25.ª edição, Ben Harper e Beth Gibbons ofereceram prendas especiais ao festival: o primeiro actuou sozinho em palco e segunda reuniu-se com os franceses Le Peuple De L’Herbe para interpretar temas de “Dummy”, álbum de estreia dos Portishead. E fizeram-no sem cachet, agradecendo o “empurrão inicial” oferecido pelo festival.

Por lá passou também Paulo Furtado, o nosso compatriota Legendary Tigerman, deixando os franceses boquiabertos e a pedir dois encores, em 2003. De forma similar, com saudosismo na expressão, recorda-se a passagem de General D na apresentação do disco “Pé Na Tchôn, Karapinha Na Céu”, em 1996, pela capital bretã.

A par de festivais como SWSX (Austin, Texas, EUA), Dour (Bélgica) ou Primavera Sound (Barcelona, Espanha), a importância deste evento é reconhecida internacionalmente, na medida a que ele acorrem profissionais do meio musical, imprensa e até mesmo organizadores de festivais de locais tão distintos quanto Japão, Coreia do Sul, Austrália, Brasil, Canadá ou EUA.

Ezra-Bang-&-The-Hot-Machine

Mudança indesejada
Apesar do eixo do Trans iniciar uma gradual mudança, em 2009, o Parc Expo do aeroporto de Rennes volta a ser a casa central do festival. Até 2003 o habitat do Trans era o pavilhão Liberté na baixa da cidade, mas as obras demoradas de remodelação aliadas às políticas de ruas sem distúrbios de Sarkozy, afastaram o «festival desordeiro» – uma óbvia referência aos conflitos entre a polícia de choque e os fãs da banda punk francesa Bérurier Noir, reunida para celebrar os 25 anos do Trans – do centro da cidade para o aeroporto, a 7 kms.

Apesar da organização tentar suavizar a mudança, a mesma descaracterizou e penalizou bastante o evento, sobretudo ao nível do conforto, urbanidade e meios de transporte. Seis anos depois, esta edição ensaia um regresso aos dois palcos do Liberté, agora remodelados, na noite de quinta-feira.

Bars en Trans
A decorrer nos mesmos dias e em paralelo ao Trans Musicales, o Bars en Trans é um festival de música espalhado pelos bares do centro de Rennes. O objectivo principal é oferecer um palco a artistas em início de carreira que por vezes regressam em anos futuros para actuarem no Trans Musicales. Os estudantes universitários, sobretudo os que têm menos poder de compra, agradecem a generosa oferta dos bares da cidade.

Inicialmente gratuito, com a promoção almejada pelo famoso “boca-a-boca”, o Bars en Trans tem agora entradas reservadas a preço simbólico. Entre as actuações incluem-se os “debutantes” Baden Baden, Cute Kitten Eaters, Colt Silvers, Your Happy End, 7 Questions e Abstract Sound Project.

ruestmichel_barsentrans08

31º Rencontres Trans Musicales de Rennes
Liberté, Le Parc Expo Rennes Aéroport, La Cité, Le Triangle, L’Ubu, Le 4 Bis, Les Champs Libres, L’Aire Libre
França,
2 a 5 Dez 2009
www.lestrans.com
Passes entre 25 e 115 euros

16º Bars en Trans
Diversos bares no centro de Rennes
França, 2 a 5 Dez 2009
www.barsentrans.com
Passes entre 3 e 10 euros
*Rue Saint-Michel, 2008, fotografada por Stéphane Mahé.

Siga-nos aqui:

Tags: , , , , , ,


About the Author



Comments are closed.

Back to Top ↑