Festmag

Cinema e TV

Published on Setembro 20th, 2017 | by Filipe Pedro

0

“A Fábrica de Nada” estreia na Europa, América Latina e China

Além de estrear na próxima quinta-feira, dia 21 de setembro, em várias salas de cinema portuguesas (Lisboa, Porto, Coimbra, Leiria e Setúbal), “A Fábrica de Nada”, com realização de Pedro Pinho, terá estreia comercial em países como França (13 de dezembro), Espanha, Reino Unido, Sérvia, Croácia, Bósnia, Kosovo, Suíça, Brasil, Argentina, China, entre outros ainda em negociação com o distribuidor internacional do filme, a Memento Film International.

Paralelamente à presença nas salas de cinema, “A Fábrica de Nada” tem confirmada a sua exibição em mais de 50 festivais até ao final do ano de 2017, entre os quais Londres, Rio de Janeiro, Busan, Viena, Sevilha, Argentina, México, Chile ou República Checa.

“A Fábrica de Nada”, de Pedro Pinho (ficção, 16mm, 177’, 2017)
Uma noite um grupo de operários percebe que a administração está a roubar máquinas e matérias-primas da sua própria fábrica. Ao decidirem organizar-se para proteger os equipamentos e impedir o deslocamento da produção, os trabalhadores são forçados – como forma de retaliação – a permanecer nos seus postos sem nada que fazer enquanto prosseguem as negociações para os despedimentos. A pressão leva ao colapso geral dos trabalhadores, enquanto o mundo à sua volta parece ruir. “A Fábrica de Nada” é ao mesmo tempo um convite para repensar o papel do trabalho num tempo em que a crise se tornou a forma dominante de governo, um hino à impotência destituinte e um musical lamentável.

Pedro Pinho estudou cinema em Lisboa e em Paris. Em 2008 co-realizou com Frederico Lobo o documentário de longa-metragem “Bad Sebta” (Prix Marseille Esperance Fid Marseille’08, melhor filme no DocLisboa e Forum Doc BH, no Brasil). Em 2009 fundou com 5 amigos a produtora Terratreme, que tem assumido um papel central na produção e promoção de novos realizadores no panorama do cinema português. “Um Fim do Mundo” (2013) é a sua primeira média-metragem de ficção, tendo estreado na 63.ª Berlinale, no IndieLisboa e no Festival do Rio (nomeação para os Globos de Ouro de 2014, melhor filme e melhor fotografia nos Caminhos Cinema Português 2014). Em 2014 codirigiu com Luísa Homem o documentário “As Cidades e as Trocas”, que estreou no Fid Marseille, no DocLisboa e no The Art of the Real (NY). Atualmente trabalha como realizador, argumentista e produtor. “A Fábrica de Nada” é a sua primeira longa-metragem de ficção.

Siga-nos aqui:

Tags: , , ,


About the Author



Comments are closed.

Back to Top ↑